Título Original: Shatter Me
Autora: Tahereh Mafi
Páginas: 304
Ano: 2012
Editora: Novo Conceito
Gênero: Distopia
AdicioneSkoob
Sinopse:
Juliette não toca alguém há exatamente 264 dias. A última vez que ela o fez, que foi por acidente, foi presa por assassinato. Ninguém sabe por que o toque de Juliette é fatal. Enquanto ela não fere ninguém, ninguém realmente se importa. O mundo está ocupado demais se desmoronando para se importar com uma menina de 17 anos de idade. Doenças estão acabando com a população, a comida é difícil de encontrar, os pássaros não voam mais, e as nuvens são da cor errada. O Restabelecimento disse que seu caminho era a única maneira de consertar as coisas, então eles jogaram Juliette em uma cela. Agora muitas pessoas estão mortas, os sobreviventes estão sussurrando guerra – e o Restabelecimento mudou sua mente. Talvez Juliette é mais do que uma alma torturada de pelúcia em um corpo venenoso. Talvez ela seja exatamente o que precisamos agora. Juliette tem que fazer uma escolha: ser uma arma. Ou ser um guerreiro.

Trilogia Estilhaça-me

1. Estilhaça-me
2. Liberta-me (leia a resenha)
3. Incendeia-me (leia a resenha)

A primeira vez que li a sinopse e capa de Estilhaça-me a parte de mim que ama distopias que envolva prisões, poderes e loucuras despertou-se intensamente. Não pensei duas vezes e comprei o livro. As minhas expectativas estavam altíssimas e não foram decepcionadas.


Estilhaça-me conta a história de Juliette, uma garota de 17 anos que vive aprisionada sozinha a mais de 200 dias por ser acusada de assassinato. A história começa intrigante e logo dúvidas surgem em nossa mente: “Qual o verdadeiro motivo dela estar ali?” “Por que ela não pode tocar ninguém?” “O que é o Restabelecimento?” Dentre outras várias questões. Juliette tem uma maneira interessante de pensar. Às vezes ingênua e às vezes muito esperta. Ela nos faz uma introdução do que está acontecendo no mundo. Em que pássaros não voam mais, as nuvens são de outra cor e o governo faz promessas falsas. A garota possui um pequeno caderno que serve como diário, o qual escreve todos os dias. Ele serve como escape daquela terrível prisão.
Como o livro é contado por Juliette, partilhamos de sua visão confusa sobre o que acontece a sua volta. Várias frases são literalmente riscadas e há muitas repetições, o que nos faz pensar se a garota é realmente maluca ou é assim pelo fato de está confinada há muitos dias. Então, eis que ela ganha um colega de cela, o misterioso Adam, e aos poucos ela começa a interagir com o lindo rapaz. O início dos dois é bruto, mas aos poucos eles se aproximam. No decorrer da história, quando descobrimos o verdadeiro motivo de Adam está na cela, recebemos um soco na cara. Pois, aposto que nenhum leitor esperaria por aquilo. A partir daí, descobrimos que a vida de Juliette irá mudar para sempre.

O Restabelecimento toma posse de Juliette e é aí que encontramos o possível vilão da história: Warner. A minha primeira impressão dele foi de um homem jovem demais para ter tanto poder e autoritarismo. Além de ter um charme e saber perfeitamente jogar as palavras certas, ele me fez ama-lo, odiá-lo e ama-lo de novo. Warner demonstra ter muito mais personalidade que qualquer outro personagem. Aos poucos vamos conhecendo mais sobre esse governo autoritário e notamos o quanto o relacionamento de Adam e Juliette melhora a cada dia.
No decorrer do enredo conhecemos outros personagens e vemos como Juliette se sente se relacionando com eles. Kenji é meu personagem preferido (depois do Warner). Ele é divertido e engraçado, o que faz a história “relaxar” um pouco. James, irmão de Adam, é uma gracinha. Uma criança que me faz querer proteger a qualquer custo. A trama vai se desenrolando e nos apresenta o mundo de Juliette e qual será o papel dela no futuro.

Durante esse primeiro livro, não vemos uma protagonista heroína. Juliette é ainda ingênua, às vezes dramática e movida pelo medo. Mas devemos dar uma chance a ela, pois, por ter vivido trancada em uma prisão com péssimas condições por muito tempo essa reação era de se esperar.
O final foi surpreendente e nos dar um gostinho de quero mais para o segundo livro. Lembrou-me um pouco de X-Men, no lado positivo. Porém não desanimem quanto a isso. A leitura é super recomendada por mim. Tahereh nos remete a lições de não desistirmos de nós mesmos, em acreditar num futuro melhor, lutar pelo que acreditamos e pensar em um bem maior.
A forma como Mafi escreve me impressionou. As metáforas, as frases simples com misturas do comum se tornaram incríveis. Estilhaça-me foi tudo que eu esperava e mais. Surpreendeu-me e prendeu-me do início ao fim. Houve momentos em que eu ficava de queixo caído e batia palmas de tão excepcional. Poucos leitores conseguem escrever como Tahereh, que para mim é um exemplo genial. Poderia ficar o dia inteiro falando sobre esse livro, mas tenho que me controlar haha
Leiam Estilhaça-me e aproveitem para ler o segundo e terceiro livros. Vocês não irão se arrepender.
Frases
“Estávamos nos matando na tentativa de permanecermos vivos. O tempo, as plantas e a sobrevivência humana são indissociáveis. Os elementos naturais estavam em guerra uns com os outros porque abusávamos de tudo. Abusávamos de nossa atmosfera. Abusávamos de nossos animais. Abusávamos de nosso semelhante.”
“Não quero que você me odeie – diz Warner enquanto seguimos pelo caminho rumo ao elevador. – Sou apenas seu inimigo porque você quis que eu fosse.”
“A Lua é uma companheira correta. Ela nunca se vai. Está sempre lá, observando, constante, reconhecendo-nos em nossos momentos de luz e escuridão, em constante transformação, assim como nós. Todos os dias uma versão diferente dela mesma. Às vezes fraca e lívida, noutras forte e cheia de luz. A Lua compreende o significado do ser humano. Inconstante. Solitária. Esburacada de imperfeições.”

Deixe um comentário