Título Original: The Selection
Autora: Kiera Cass
Páginas: 368
Ano: 2012
Editora: Seguinte
Gênero: Romance Distópico

Série A Seleção

1. A Seleção
2. A Elite (leia a resenha)
3. A Escolha (leia a resenha)
4. A Herdeira (leia a resenha)
5. A Coroa

Sinopse:
Para trinta e cinco garotas, a Seleção é a chance de uma vida. Num futuro em que os Estados Unidos deram lugar ao Estado Americano da China e mais recentemente a Illéa, um país jovem com uma sociedade dividida em castas, a competição que reúne moças de dezesseis e vinte anos de todas as partes para decidir quem se casará com o príncipe é a oportunidade de escapar de uma realidade imposta a elas ainda no berço. É a chance de ser alçada de um mundo de possibilidades reduzidas para um mundo de vestidos deslumbrantes e joias valiosas. De morar em um palácio, conquistar o coração do belo príncipe Maxon e um dia ser a rainha.
Para America Singer, no entanto, uma artista da casta Cinco, estar entre as Selecionadas é um pesadelo. Significa deixar para trás Aspen, o rapaz que realmente ama e que está uma casta abaixo dela. Significa abandonar sua família e seu lar para entrar em uma disputa ferrenha por uma coroa que ela não quer. E viver em um palácio sob a ameaça constante de ataques rebeldes.
Então America conhece pessoalmente o príncipe. Bondoso, educado, engraçado e muito, muito charmoso, Maxon não é nada do que se poderia esperar. Eles formam uma aliança, e, aos poucos, America começa a refletir sobre tudo o que tinha planejado para si mesma e percebe que a vida com que sempre sonhou talvez não seja nada comparada ao futuro que ela nunca tinha ousado imaginar.
A Seleção faz parte da antes trilogia e agora saga de mesmo nome escrita pela linda da Kiera Cass. É considerada uma distopia, porém depois que li o terceiro livro da saga, a história parece mais focada no romance. Há aquela balança, equilíbrio entre romance e distopia.
A história se passa no futuro, onde o território dos Estados Unidos da America foi invadido e transformado em Illéia. Um país que é dividido em oito castas, sendo a Um pertencente à família real e a Oito aos mendigos e criminosos que levam uma vida muito difícil. Cada pessoa na sociedade pertence a uma casta dependendo de sua família, profissão e condições. Sendo elas: Um: realeza e clero; Dois: todas as celebridades; Três: todo tipo de educadores, filósofos, educadores, inventores, etc; Quatro: fazendeiros, joalheiros, chefes de cozinha, etc; Cinco: músicos e cantores eruditos; Seis: secretários, serventes, etc; Sete: jardineiros, pedreiros, etc; Oito: deficientes físicos e mentais, viciados, fugitivos, desabrigados.
A protagonista America Singer pertence à Casta Cinco e seu talento é ser musicista. Ela toca piano, violino e canta. Para ganhar dinheiro, junto com sua família, faz apresentações em festas e eventos das castas mais altas. Eles vivem em uma situação bastante humilde e sentem a realidade dura que as castas mais baixas sofrem. America é apaixonada por Aspen, um garoto de casta inferior à sua, Seis, onde vive em situações piores que as dela. Por Aspen ser de casta inferior a de Mare, o relacionamento é às escondidas. Pois, normalmente as moças se casam com homens de castas acima para melhorar suas condições de vida. Um futuro com Aspen estava fora de cogitação, porém o casal se ama e sempre faziam planos sobre viver juntos. O namoro durou dois anos. Até America receber a carta para participar da Seleção. Uma competição onde 35 jovens tentam ganhar o coração do príncipe (e, de quebra, conseguir uma coroa e muito dinheiro).

Desde o início, America não quer participar da Seleção. Pois, seu coração já pertencia à Aspen. Além de outros motivos que a fazia não querer participar. Mas ela não tinha escolha além de aceitar e preencher o formulário. A Seleção seria uma espécie de oportunidade para ajudar sua família a sair daquelas condições. Apesar de somente 35 serem escolhidas, milhares de garotas se inscrevem também. Assim, apesar de tudo, America mantinha esperança de não ser escolhida. Sem surpresa nenhuma, Mare é escolhida. Assim, parte para a capital onde viverá no castelo e lutará, ou não, para ser a grande vencedora.
No decorrer da trama somos introduzidos ao dia-a-dia de America no palácio. Notamos que a competição é intensa, os deveres são muitos e que apesar de ser o palácio, há diversas complicações dentro e fora de seus muros. É engraçada a forma como as garotas se relacionam. Isso faz a história ficar ainda mais divertida. O primeiro encontro de America com o Príncipe Maxon não poderia ter sido melhor. É hilária! Garoto gentil e garota grossa.
O plano inicial de America de participar da seleção até certo tempo (ela tinha certeza que o príncipe a “chutaria” logo) começa a dar errado. O coração da garota se divide entre Maxon e Aspen. Seus sentimentos estão uma confusão. Às vezes dar vontade de dar uns tapas na cara da Mare, mas temos que entender que questões do coração não são nada fáceis.
No decorrer da história vemos o quanto Maxon e Mare se tornam amigos. (Adoro a parte que eles fazem um trato). A relação deles é muito fofa. Não há como não amar o príncipe❤Algumas garotas da Seleção são legais e se tornam amigas da Cinco. É bastante compreensivo o modo com que America toma certas decisões. Como o jeito que trata suas três criadas. No meio da história uma “surpresinha” acontece e é aí que o livro melhora ainda mais! No fim, Mare não foi expulsa da Seleção e ela fará parte da Elite, onde somente algumas garotas conseguem chegar.

A Seleção é o tipo de livro que logo de cara achei que ia ser bem menininha e chato. Porém, não é. A parte distópica é ótima. Fiquei cada vez mais curiosa para saber quem eram os rebeldes do norte e os do sul e o que eles pretendiam. O rei é um imbecil e algumas coisas que acontecem no palácio e no reino me deixam furiosa. As pitadas de romance são incríveis *-* (ninguém é de ferro, né minha gente).
Kiera Cass criou um mundo que me deixou bastante curiosa e intrigada. A cada página queria descobrir mais e mais. Os personagens são fáceis de se apegar e sua escrita é leve. O que nos faz passar as páginas com facilidade e vontade. Outra coisa que me deixou com raiva, foram certas ações da America com o Aspen. Poxa, ela estava na Seleção! Cadê o respeito pelo Maxon apesar de tudo? Affe. Depois de lerem irão me entender. O final do livro me deixou muito ansiosa e curiosa para o próximo. Onde em A Elite a competição estará mais acirrada.
Adorei A Seleção e sua premissa. Há coisas que nos faz pensar, como gostar mais de nós mesmos, colocar o próximo antes de nós, que na vida temos decisões difíceis, mas que precisamos escolher o que achamos certo. Nos diz sobre amizade, confiança e fidelidade; amor entre a família e os sacrifícios que muitas vezes temos que fazer. Recomendo😉

Deixe um comentário