Título Original: Divergent
Autora: Veronica Roth
Páginas: 500
Ano: 2012
Editora: Rocco
Gênero: Distopia

Trilogia Divergente

1. Divergente
2. Insurgente
3. Convergente

Sinopse:
Numa Chicago futurista, a sociedade se divide em cinco facções Abnegação, Amizade, Audácia, Franqueza e Erudição e não pertencer a nenhuma facção é como ser invisível. Beatrice cresceu na Abnegação, mas o teste de aptidão por que passam todos os jovens aos 16 anos, numa grande cerimônia de iniciação que determina a que grupo querem se unir para passar o resto de suas vidas, revela que ela é, na verdade, uma divergente, não respondendo às simulações conforme o previsto. A jovem deve então decidir entre ficar com sua família ou ser quem ela realmente é. E acaba fazendo uma escolha que surpreende a todos, inclusive a ela mesma, e que terá desdobramentos sobre sua vida, seu coração e até mesmo sobre a sociedade supostamente ideal em que vive.
 Primeiramente gostaria de dizer que sou suspeita para falar sobre livros distópicos. Esse gênero é uma das minhas grandes paixões e praticamente qualquer livro que envolva distopia é atraente aos meus olhos. Com Divergente não foi diferente.
Divergente conta a história de Beatrice Prior, uma garota de dezesseis anos que mora na futurista cidade de Chicago. Mas não pense que por “futurista” tenha carros voadores ou coisas do tipo. Nessa Chicago, a sociedade se divide em grupos, mais precisamente facções, que foram criadas para manter a paz e a ordem na sociedade. Onde cada pessoa possa encontrar um lugar para chamar de seu e um grupo de pessoas que a compreenda. Assim, tudo estava perfeito. Não havia guerras há muitos anos e tudo estava organizado e em paz.
A sociedade se divide em cinco facções: AbnegaçãoAmizadeAudáciaFranqueza e Erudição. Cada uma delas é definida por uma característica importante que se sobressai sobre outras. Na Abnegação, o essencial é ser altruísta. Humilde com todos e colocar o próximo na sua frente. Ajudar os outros é o que os move. Na Amizade, eles pregam a paz e o amor. São contra a violência e sempre enxergam o melhor de tudo. A Audácia pertence aos soldados, pessoas que prezam a coragem e a força. Elas protegem a cidade e lutam pelo que acreditam. São aventureiros e vivem fazendo o que desejam sem medo dos riscos. A Franqueza é o lar das pessoas que lutam pela justiça. Nela a mentira é vista como algo fraco e dizer sempre a verdade é o principal objetivo. Na Erudição encontramos os cidadãos considerados inteligentíssimos. O conhecimento é algo belo e inigualável. Eles possuem a curiosidade de querer saber mais e mais, claro, usando as mais brilhantes ideias.

Os jovens dessa Chicago futurista são submetidos a um teste de aptidão, o qual são testados. Ao final, o resultado dirá a qual facção eles pertencem. Todavia o jovem também pode escolher seguir o resultado do teste ou escolher o que acha melhor para si. Pois, eles não escolheram a família ao qual pertencem, eles nasceram nela. Por isso passam por esse teste para ter a oportunidade de escolha. No dia da cerimônia de iniciação os jovens devem dizer sua escolha e aí será definitivo, não pode voltar atrás.
Beatrice pertence à Abnegação, o qual as pessoas são apelidadas de “caretas” pelas outras facções. Porém, ela não se encaixa em sua facção. A garota se sente diferente. Tem medo de não conseguir pertencer a lugar algum. No dia em que é submetida ao teste, o resultado é inconclusivo. Divergente. Algo que a garota não esperava e isso a deixou ainda mais confusa. Sua difícil decisão era escolher entre ficar com sua família ou ser quem ela realmente é.
Na cerimônia de escolha, Beatrice ainda não tinha escolhido para qual facção iria pertencer o resto de sua vida, até o momento em que foi chamada e optou por Audácia. Foi uma decisão chocante e inesperada até para ela mesma. Fora algo tão estranho e incomum que ela foi a única “careta” a trocar de facção. Os iniciandos da Audácia são praticamente testados no momento seguinte a sua escolha, onde devem pular para entrar e sair de um trem em movimento.
Durante a iniciação, período onde o jovem deve se provar digno de pertencer à facção, Beatrice muda seu nome para Tris e nota o quanto sua escolha em optar por Audácia foi arriscada. Pois, as fases da iniciação dos audaciosos são difíceis e árduas, além da intensa competição. Ninguém ali queria se tornar um sem facção, alguém que não pertence a lugar algum, que não conseguiu passar em sua iniciação. Pessoas que moravam nas ruas e tinham que mendigar.

Tris era considerada a mais fraca do grupo de iniciandos, o que aumentou o medo da escolha equivocada. Contudo, a garota se esforça para fazer valer sua escolha. Com muito foco e determinação ela avança e sobe na disputa. Durante o processo, Tris faz amigos e se sente atraída pelo misterioso Quatro, seu instrutor durante a iniciação.
Como em toda sociedade perfeita, há falhas, rachaduras. A “careta” deve ter cautela ao confiar demais, pois ela esconde o segredo do seu teste de aptidão, o qual pode causar sua morte. Divergentes são caçados há tempos por serem considerados perigosos e ameaçarem o sistema perfeito da sociedade por pensarem diferente. Eles se encaixam em mais de uma facção e possuem os pensamentos mais abrangentes. As autoridades da Erudição não os aprova e sua líder Jeanine possui um plano mirabolante formado para extingui-los para sempre. Porém, essa ideia toma patamar alto e envolve algo maior do que deveria ser. O que todos achavam que era uma coisa, na verdade era algo ainda mais grandioso. A partir daí, a trama fica cada vez mais envolvente e podemos notar que a história gira em torno de algo maior e melhor do que pensávamos.
De acordo com o que Tris vai descobrindo, nos juntamos a ela e levamos vários tapas na cara, pois são coisas complexas e abrangentes que nos fazem ter diversas perguntas. Diversas vezes meus olhos se arregalaram e meu queijo caiu. A cada capitulo temos uma surpresa. Veronica Roth, criou um mundo futurístico fantástico que nos faz questionar várias coisas em nossa sociedade atual. Apesar de seu modelo avançado, há características do passado. Algo impressionante! Não podemos avançar sem nos lembrarmos do nosso passado. Incrível como até em uma sociedade considerada perfeita há imperfeições.
Roth criou uma trama complexa e maravilhosa. No começo pode ser difícil de entender, mas logo você “pega a manha” e começa a juntar o quebra-cabeça. A história te prende do início ao fim. Um dos pontos mais fortes para mim na história, é como a escritora trabalhou a questão do medo. Pois, a Audácia é um dos focos e nela a coragem deve prevalecer. O medo está fora de cogitação. Excepcional! Eu me identifiquei bastante.
Podemos notar no decorrer da trama como Tris amadurece e se torna mais forte tanto fisicamente como espiritualmente. Os personagens são envolventes e cada um tem uma personalidade única. Identifiquei-me muito com a Tris por ela não se encaixar em uma facção, mas sim em várias. Em se sentir diferente. O Quatro tem uma opinião e inteligência magníficas. Os amigos da Tris, Cristina, Will e Al são legais e divertidos. Caleb, seu irmão mais velho, me irritou bastante. Foi uma relação de amor e ódio. Muitos personagens me surpreenderam e mostraram ser uma pessoa que eu nunca imaginaria.
As partes da iniciação da Audácia foram as melhores em minha opinião. Pois é algo que realmente testa sua capacidade física e mental da forma mais brutal. É de tirar o fôlego! Apesar de o casal Tris e Quatro não serem o foco, eles são bastante “shippáveis”, se completam. Eles se entrosam facilmente, possuem pensamentos inteligentes e intrigantes que se encaixam perfeitamente. Eu, particularmente, sou apaixonada pelo Four (Quatro, mas prefiro em inglês). Ele possui um charme em seu porte firme e autoritário. Quando ele baixa a guarda, eu sorrio, porque parece algum incomum nele hehe.
Divergente não é somente uma história sobre uma garotinha que não sabe seu lugar na sociedade. Abrange um assunto muito maior. Pois, somos submetidos a lições de que devemos lutar pelo que desejamos e achamos certo, que a família é algo essencial em nossa vida, que segredos nos cercam, porém muitos são para nosso próprio bem. Que a confiança é algo frágil, mas também forte. Que devemos fazer escolhas e mesmo sendo erradas, aprenderemos com elas e nos conformaremos com o caminho seguido.
Divergente possui amizade, amor, lutas, violência, tiro ao alvo, paisagens dos seus medos, tatuagens, mistério e uma história muito instigante! Recomendo. Aposto que irão gostar, mas não venha com desculpas por ele está na “modinha”, pois vale muito a pena ler.
Frases
“O abismo serve para nos lembrar que há um limite tênue entre a coragem e a estupidez!”
“Os testes não precisam mudar nossas escolhas.”
“- Pensei que teria problemas com a garota da Franqueza perguntando demais – afirma ele friamente. – Agora tenho uma Careta na minha cola também?
– Deve ser porque você é tão acolhedor – digo diretamente. – Sabe? Quase como uma cama de pregos.”
“Para mim, há uma diferença clara entre alguém que não tem medo e alguém que toma atitudes, apesar do medo, como ele.”
“Eu nunca havia sido carregada nas costas por um garoto, ou gargalhado tanto na mesa de jantar que minha barriga doesse, ou escutado o tumulto de centenas de pessoas falando ao mesmo tempo. A paz é contida, isso aqui é liberdade.”
“- Porque o medo não faz com que você se apague, ele faz com que você acenda. Já vi isso acontecendo com você. É Fascinante.”
“É fácil ser corajosa quando os medos não são meus.”
“Aprender a controlar seu medo e libertar-se dele é o verdadeiro objetivo.”
“- Você consegue ser uma garota por alguns segundos?
– Eu sou sempre uma garota.
– Você sabe o que quero dizer. O tipo de garota bobinha e chatinha.”


Olá, pessoal😀
O autor John Green revelou a diretora da adaptação cinematográfica de Quem é você, Alasca? através do seu Twitter, na noite de quarta-feira (24)! A cotada para dirigir o filme do primeiro livro escrito por John será Rebecca Thomas. Seu último filme lançado foi A Fita Azul(2014).

Não há elenco definido para a adaptação, porém alguns fãs apostam na atriz Kaya Scodelario, artista da franquia Maze Runner: Correr ou Morrer. Se ela fosse escalada vocês aprovariam? Eu, com certeza haha
Quem é você, Alasca? é o quarto livro do John Green que será adaptado para o cinema, depois de A Culpa é das EstrelasCidades de Papel (estreia 9 de julho nos cinemas brasileiros) e Deixe a Neve Cair (com estreia prevista para 9 de dezembro de 2016 nos Estados Unidos sem elenco definido).
Sou uma grande fã dos livros do John e estou muito feliz por ver os livros dele se tornarem adaptações *-* E vocês? Ansiosos para os filmes? Eu, sim \o/ haha
Até a próxima!


Olá, queridos leitores:)
Hoje o Top 5 é especial! Ontem 26/06/2015 foi aprovado em todo o território dos EUA o casamento gay \o/ Finalmente depois de muita luta, “O AMOR VENCEU” *-*

Para esse “Top 5” escolhi cinco livros com casais gays como personagens principais. Ainda não li nenhum deles, mas parecem ser ótimos. Alguns estão na minha lista de leitura. Vamos conhecê-los?
5. Doce Vampira

Sinopse: Os vampiros se revelaram ao mundo, mas ainda sofrem muitas desconfianças dos humanos. Apaixonadas Duda e Esther precisam lidar com todos os tipos de discriminação por serem de raças diferentes e ambas do mesmo sexo. Será que o amor delas sobreviverá a segredos e ao fanatismo? Descubra nesse romance com toques de drama e mistério. Entre de cabeça no universo fantástico criado pela escritora Ju Lund.

4. Dois Garotos se Beijando


Sinopse: Baseado em fatos reais e em parte narrado por uma geração que morreu em decorrência da Aids, o livro segue os passos de Harry e Craig, dois jovens de 17 anos que estão prestes a participar de um desafio: 32 horas se beijando para figurar no Livro dos Recordes. Enquanto tentam cumprir sua meta — e quebrar alguns tabus —, os dois chamam a atenção de outros jovens que também precisam lidar com questões universais como amor, identidade e a sensação de pertencer. 

3. Garoto Encontra Garoto


Sinopse: Nesta mais que uma comédia romântica, Paul estuda em uma escola nada convencional. Líderes de torcida andam de moto, a rainha do baile é uma quarterback drag-queen, e a aliança entre gays e héteros ajudou os garotos héteros a aprenderem a dançar. Paul conhece Noah, o cara dos seus sonhos, mas estraga tudo de forma espetacular. E agora precisa vencer alguns desafios antes de reconquistá-lo: ajudar seu melhor amigo a lidar com os pais ultrarreligiosos que desaprovam sua orientação sexual, lidar com o fato de a sua melhor amiga estar namorando o maior babaca da escola… E, enfim, acreditar no amor o bastante para recuperar Noah!

2. Azul é a Cor mais Quente


Sinopse: Clementine é uma jovem de 15 anos que descobre o amor ao conhecer Emma, uma garota de cabelos azuis. Através de textos do diário de Clementine, o leitor acompanha o primeiro encontro das duas e caminha entre as descobertas, tristezas e maravilhas que essa relação pode trazer. Em tempos de luta por direitos e de novas questões políticas, “Azul é a Cor Mais Quente” surge para mostrar o lado poético e universal do amor, sem apontar regras ou gêneros.

1. Will e Will – Um Nome, Um Destino


Sinopse: Em uma noite fria, numa improvável esquina de Chicago, Will Grayson encontra… Will Grayson. Os dois adolescentes dividem o mesmo nome. E, aparentemente, apenas isso os une. Mas mesmo circulando em ambientes completamente diferentes, os dois estão prestes a embarcar em um aventura de épicas proporções. O mais fabuloso musical a jamais ser apresentado nos palcos politicamente corretos do ensino médio.
Gostaram do Top 5? Já leram algum?
Até a próxima! Beijos😉


Olá, queridos leitores:)
Nesta tarde maravilhosa uma nova coluna será lançada! Desta vez vocês terão Livro X Filme. Que consiste em comparar o livro com sua adaptação.
Eu amo adaptações, mas claro, sendo o mais fiel possível ao livro. Ou ao menos perto disso. Não concordo com opiniões “cegas” sobre as adaptações, pois muitas pessoas criticam ao extremo e jogam o filme no lixo sem notar uma única coisa boa. Em minha opinião, as pessoas deviam ser mais abertas e aceitar as coisas novas, desprender um pouco do velho. Devemos notar que não existem adaptações completamente fieis ao livro. Há sempre alguma mudança, pois é impossível tirar tudo que tem no livro e jogar em uma tela de cinema. Há também o fato de que algumas pessoas não possuem conhecimento sobre o livro e assim a adaptação deve explicar certas coisas para estas entenderem. Em alguns filmes, as mudanças feitas não prejudicam o enredo do livro. Ao contrário, até melhoram e nos ajuda a compreender melhor. Porém, há adaptações terríveis que são totalmente o oposto do livro. Essas me deixam triste, mas mesmo assim tento tirar algo de bom delas😉

Para a estreia dessa coluna escolhi o livro O Doador de Memórias que foi adaptado para o cinema em 2014. É o tipo de livro/filme que pela sinopse/trailer nos dar muita curiosidade e vontade de ler/assistir. Confira a sinopse abaixo:
“Em O Doador de Memórias, a premiada autora Lois Lowry constrói um mundo aparentemente ideal onde não existem dor, desigualdade, guerra nem qualquer tipo de conflito. Por outro lado, também não há amor, desejo ou alegria genuína. Os habitantes de uma pequena comunidade, satisfeitos com a vida ordenada, pacata e estável que levam, conhecem apenas o presente o passado e todas as lembranças do antigo mundo lhes foram apagados da mente. Um único indivíduo é encarregado de ser o guardião dessas memórias, com o objetivo de proteger o povo do sofrimento e, ao mesmo tempo, ter a sabedoria necessária para orientar os dirigentes da sociedade em momentos difíceis. Aos 12 anos, idade em que toda criança é designada à profissão que irá seguir, Jonas recebe a honra de se tornar o próximo guardião. Ele é avisado de que precisará passar por um treinamento difícil, que exigirá coragem, disciplina e muita força, mas não faz ideia de que seu mundo nunca mais será o mesmo. Orientado pelo velho Doador, Jonas descobre pouco a pouco o universo extraordinário que lhe fora roubado. Como uma névoa que vai se dissipando, a terrível realidade por trás daquela utopia começa a se revelar.”
Li o livro no ano passado e adorei *-* É ótimo e nos faz questionar diversas situações que acontecem no mundo e em nossa comunidade. Estava muito ansiosa para assistir ao filme. Tanto que quando assisti cheguei a chorar de tão emocionada (eu exagerada).
Depois de assistir ao filme, fui inundada por uma sensação estranha. Fiquei de queixo caído e lágrimas escorriam dos meus olhos! A adaptação de O Doador de Memórias é fantástica. A forma como a história é contada, as cenas, os atores, a atuação, produção… Tudo! Pela primeira vez gostei mais da adaptação que do livro. Sério! Achei o livro insuficiente para a grandiosa história. Gostaria de saber mais detalhes sobre a distopia. O que não foi feito no livro. Já no filme, tudo foi tão bem explicado que pude entender melhor a história. Houve algumas mudanças, mas não prejudicaram de maneira nenhuma. Até ajudaram. Fui tocada por várias cenas que me fizeram chorar pelo choque de realidade que foi jogado na minha cara. É incrível!
O Doador de Memórias se tornou um dos meus filmes favoritos. A história é maravilhosa e nos instiga. Faz-nos pensar sobre diversas coisas. Achei o livro incompleto, mas recomendo os dois. Leia o livro e veja o filme. Espero que goste e depois me diga sua opinião.
Até a próxima!


Título Original: Beautiful Disaster
Autora: Jamie McGuire
Páginas: 392
Ano: 2012
Editora: Verus
Gênero: Romance/New Adult

Série Beautiful

1. Belo Desastre
2. Desastre Iminente
3. Belo Casamento

Sinopse:
Abby Abernathy é uma boa garota. Ela não bebe nem fala palavrão, e tem a quantidade apropriada de cardigãs no guarda-roupa. Abby acredita que seu passado sombrio está bem distante, mas, quando se muda para uma nova cidade com America, sua melhor amiga, para cursar a faculdade, seu recomeço é rapidamente ameaçado pelo bad boy da universidade.
Travis Maddox, com seu abdômen definido e seus braços tatuados, é exatamente o que Abby precisa e deseja evitar. Ele passa as noites ganhando dinheiro em um clube da luta e os dias seduzindo as garotas da faculdade. Intrigado com a resistência de Abby ao seu charme, Travis a atrai com uma aposta. Se ele perder, terá que ficar sem sexo por um mês. Se ela perder, deverá morar no apartamento dele pelo mesmo período. Qualquer que seja o resultado da aposta, Travis nem imagina que finalmente encontrou uma adversária à altura. E é então que eles se envolvem em uma relação intensa e conturbada, que pode acabar levando-os à loucura.
Essa é uma resenha de um livro que li há muito tempo, mas não canso de reler. Sou suspeita para falar sobre Belo Desastre, pois é meu livro favorito e tudo nele me encanta. Eu poderia passar horas só falando sobre a trama ou sobre os personagens. É um amor enorme que não tenho palavras para descrever ❤

Belo Desastre conta a história de Abby Abernathy, uma garota “certinha” que possui uma enorme coleção de cardigãs, não fala palavrão, não bebe e é nova na cidade; e de Travis Maddox que não é só respeitado e idolatrado pelos garotos, mas também por todas as garotas que já dormiram, ou sonham em dormir, com ele. Deu pra imaginar? O cara é forte, lindo, famoso e respeitado, além de sedutor, charmoso, tatuado e um irresistível bad boy. Travis é a lenda da Universidade Eastern. Na trama acompanhamos o desenrolar do romance e como a história do casal se tornou um belo desastre. No decorrer da história descobrimos quem os dois são de verdade. O que há por detrás da “casca”.
Abby chega à cidade para fugir do seu passado e busca ter uma vida melhor ao lado da sua melhor amiga, America. Ela faz amizade também com Finch, o amigo gay que todos querem ter. America costuma acompanhar o namorado Shepley (que por ironia do destino é primo e colega de apartamento de Travis) às lutas de Travis, e um dia resolve convidar Abby para ir junto, já que a garota nunca sai do alojamento. Na luta, Abby conhece Travis Maddox, também conhecido como “Cachorro Louco”, o qual no final da luta a apelida de Beija-Flor. Como Travis representa tudo que ela estava fugindo, Abby só está disposta a oferecer amizade ao bad boy. Beija-Flor é diferente das garotas que Travis está acostumado a passar suas noites. E o motivo? Ela demonstra não se importar com ele, batendo de frente e implicando com ele. Os dois mantém uma relação de gato e rato, sendo atraídos por suas adversidades. Travis fica extremamente surpreso por encontrar a primeira garota que não deseja se jogar em cima dele. Isso o intriga e faz o rapaz ficar ainda mais interessado na garota, vendo-a como um desafio.

Apesar de tudo, eles se tornam amigos, mas claro, com aquela pitada de “mais que amigos”. No início Abby fazia de tudo para que Travis perdesse o interesse nela, mas isso não resultava no que ela desejava, e sim no contrário. Pois o garoto ficava cada dia mais “gamado” na moça. As provocações e jogadas dos dois são incríveis. Eles são muito espertos. Conhecendo melhor a Abby, finalmente Trav descobre uma adversária a sua altura. A amizade dos dois é maravilhosa. As brincadeiras e provocações me fizeram desejar uma amizade como a deles.
Com o passar dos dias, os dois ficam ainda mais próximos e mal se desgrudam. Travis é chamado para uma nova luta no círculo e leva Abby junto com ele dessa vez. Antes de começar a luta, os dois fazem uma aposta. (É aí que a história fica muito mais interessante). Abby perde a aposta e assim deve morar no apartamento de Travis durante um mês, cuja única opção de local para dormir seja na cama do Maddox, junto com ele. Que garota não desejaria isso? A partir daí tudo fica mais intenso: a amizade, o amor, as brigas, o ciúme, as provocações. Começamos a conhecer melhor os personagens. Notamos que Travis, apesar de sua fachada dura e conquistadora, é sensível. O rapaz quando ama, é para valer, e assim se joga de cabeça o que acaba resultando em comportamento explosivo e obsessivo. Abby mostra ser uma garota de personalidade forte e de atitude, muito além de sua “casca”. Essas diferenças entre as personalidades fazem que a balança se equilibre. Eles completam um ao outro. Se entendem bem demais apesar de tudo. Costumo dizer que Abby, por dentro, é Travis por fora e vice versa. Beija-Flor e Cachorro Louco são repletos de imperfeições e vivem cometendo erros, o que mostra o quão humanos os personagens são, passando longe do estereótipo de mocinhos e casal perfeito.

Belo Desastre é aquela história que na primeira impressão você acha que é mais um romancezinho comum em que nada acontece. Mas está enganado. A trama é muito bem construída e a historia não é somente sobre um casal que se apaixona, passa por desafios e só. É muito mais que isso. Mostra-nos as diferentes relações com a família e amigos. Como uma coisinha do passado ainda pode afetar o seu presente e futuro. Conhecemos a família do Travis e ela é incrível. O rapaz tem quatro irmãos mais velhos, sendo ele o caçula e a relação deles é ótima. É divertido ver como os irmãos interagem entre si. Já a família de Abby é bastante conturbada, com problemas que dão dor de cabeça só de pensar. Shepley e America participam ativamente do livro e são essenciais para o casal principal. Eles fazem a vida ser mais doce.
A narrativa de Jamie McGuire é de tirar o fôlego! Em nenhum momento senti necessidade de largar o livro por estar chato. Ao contrário, não consegui largar um momento sequer! Por ser um New Adult, julguei achando que era só mais uma história comum, mas Belo Desastre não é. O livro nos remete a lições de amor e amizade. Que apesar da reputação que podemos ter ou das fofocas que nos rodeiam, não devemos desistir de nós mesmos e nem do que amamos. Que devemos lutar com todas as forças pelo que desejamos e achamos certo. Que devemos errar e aprender com esse erro. Que desilusões e corações partidos acontecem, mas devemos ser fortes e seguir em frente.

Belo Desastre se tornou meu livro favorito por ter me impressionado e amarrado de todas as maneiras existentes. Os personagens são incríveis. As provocações e as formas de amor demonstradas tanto com ações quanto com palavras são de tirar o fôlego. Depois de conhecer Travis Maddox e me apaixonar perdidamente por ele, não consigo ver um homem que chegue aos seus pés. Abby sortuda haha Ele é perfeito em sua imperfeição. As cenas, as falas, a forma de como tudo e narrado torna o livro excepcional.
Na sinopse é falado sobre uma aposta e foi um dos maiores motivos para eu desejar ler esse livro. Jamie McGuire não me decepcionou. Superou todas as minhas expectativas. Qualquer coisa que essa “mulher maravilha” escrever, eu com certeza irei ler. Leiam Belo Desastre, vocês não irão se arrepender.
Ps.: Desafio qualquer um a ler esse livro e não ficar cantarolando depois “I Can’t Get No Satisfaction“, dos Rolling Stones😉

Frases
“Embora nós dois tivéssemos feito o outro passar pelo inferno, tínhamos encontrado o céu. Talvez isso fosse mais do que um casal de pecadores merecesse, mas eu é que não iria reclamar.”
“Você partiu a porra do meu coração!”
 “Eu sabia, no segundo em que te conheci, que havia algo em você que eu precisava. Acabou que não era algo em você. Era simplesmente você.”
“Quando penso no meu futuro, vejo você nele.”
“Está acabado. Vá pra casa.
Você é minha casa.”
“Quanto mais ele sorria, mais eu queria odiá-lo, e no entanto era esse o motivo pelo qual odiá-lo era impossível.”
“No momento em que nos conhecemos, algo dentro de nós dois mudou e, o que quer que tenha sido, fez com que precisássemos um do outro. Por motivos que eu não conhecia, eu era a exceção na vida dele, e, por mais que eu tentasse lutar contra os meus sentimentos, ele era a minha.”