Título Original: Red Queen
Autora: Victoria Aveyard
Páginas: 424
Ano: 2015
Editora: Seguinte
Gênero: Distopia/Fantasia
AdicioneSKOOB
Sinopse:
O mundo de Mare Barrow é dividido pelo sangue: vermelho ou prateado. Mare e sua família são vermelhos: plebeus, humildes, destinados a servir uma elite prateada cujos poderes sobrenaturais os tornam quase deuses.
Mare rouba o que pode para ajudar sua família a sobreviver e não tem esperanças de escapar do vilarejo miserável onde mora. Entretanto, numa reviravolta do destino, ela consegue um emprego no palácio real, onde, em frente ao rei e a toda a nobreza, descobre que tem um poder misterioso… Mas como isso seria possível, se seu sangue é vermelho?
Em meio às intrigas dos nobres prateados, as ações da garota vão desencadear uma dança violenta e fatal, que colocará príncipe contra príncipe – e Mare contra seu próprio coração. 
 Série A Rainha Vermelha

1. A Rainha Vermelha
2. Espada de Vidro


A Rainha Vermelha foi lançado no mês de junho pela Editora Seguinte e se tornou um dos meus queridinhos em minha wishlist. Estava louca para ler (quase desesperada), porém não poderia tão cedo. Pois, tenho muitos em minha coleção que pretendo ler antes de comprar novos livros e também a falta de grana. O livro se tornou um Best Seller do New York Times e permanece lá até nos dias de hoje!
Em A Rainha Vermelha somos introduzidos ao “novo mundo”, Norta mais precisamente, onde a sociedade é dividida pelo sangue que cada um carrega em suas veias. Entre pessoas que possuem o sangue vermelho e os que possuem sangue prateado. Os vermelhos são a plebe. Comuns e nada especiais. São os enviados para as guerras, os que passam fome e que trabalham até a exaustão. Os jovens vermelhos que são aprendizes de alguma profissão estão livres do alistamento obrigatório para a guerra. Isso antes de completarem os seus 18 anos. Essa é uma das contribuições dos vermelhos para a sociedade. Os prateados são compostos pelas pessoas que possuem poderes e estão na alta sociedade. A realeza. Dessa vez, nesta distopia, voltamos à monarquia. Onde há a corte e cada “Casa” possui um poder diferente dos demais.
Mare Barrow, a protagonista, possui o sangue vermelho. Junto com sua família, vive no vilarejo de Palafitas, onde passam por muitas dificuldades. Ela possui três irmãos mais velhos que estão lutando na guerra. A única que possui um emprego em sua família é Gisa, sua irmã casula. Assim, não sendo uma aprendiz, Mare rouba para poder sustentar sua família a seu modo.
A situação complica ainda mais quando seu melhor amigo, Kilorn, perde seu mestre (o qual é aprendiz) e tendo seus 18 anos será obrigado a se alistar na guerra. Assim, Mare faz o que pode para salvar seu amigo.
Com um toque do destino, Mare consegue um trabalho no palácio. Onde, no momento em que está acontecendo uma competição para escolher a futura rainha de Norta, de forma inusitada, descobre que possui poderes. Garota com sangue vermelho, mas com poderes de prateados WOW! Assim, Mare não tem escolha a não ser seguir as ordens do rei. O qual pretende usá-la para reprimir a possível guerra com os vermelhos.
No decorrer da trama vemos o dia-a-dia de Mare no palácio. Seus deveres, lições e treinamentos. Também podemos notar seu relacionamento com os príncipes e com o resto da corte. A vida de Mare não é toda infeliz, mas a garota vermelha (olha eu na história meu povo haha) não gosta nada de toda a pressão e o modo de como deve se torna submissa.
Como em toda distopia tem o grupo que almeja mudanças e luta pela melhoria da vida dos mais pobres, no caso os vermelhos. O que achei bem legal, mas também tive muitas desconfianças. A Guarda Escarlate é um grupo enorme e organizado, porém certas coisas aconteceram com alguns membros do grupo que me fez pensar: “Isso é sério? Não foram muito espertos, hein queridinhos?”. Mas isso é um grande ponto forte, pois são pessoas do povo que se juntaram. Ou seja, errar é humano. Nem tudo pode dar certo apesar do grupo ser audacioso.
Pelo modo de vida dos prateados, eles são muito infelizes, já os vermelhos, mesmo na pobreza extrema, possuem mais vitalidade. Bem irônico isso. Faz-nos pensar naquela lição em que riqueza e poder nem sempre trás felicidade.
Logo no início do livro, há um momento que pensei: “Humm é agora que vai começar o romance. Vai ser com esse cara e ela vai ficar dividida”. Porém, o romance não foi muito bem construído. Deveria ter mais cenas entre os possíveis casais para assim termos mais ideias do que se passava. Muitos diálogos eram “cortados” e algumas cenas curtas, o que me deixava confusa às vezes.
Victoria Aveyard conseguiu criar personagens fortes e que possuem jogo de cintura. A Mare é esperta, protetora e coloca a vida das pessoas que ama antes da sua. O que me deixou com raiva dela foi seu egoísmo em certos momentos. Algumas vezes ela não pensava o bastante antes de agir e no final mais problemas surgiam. Ela sempre viveu a sombra da irmã mais nova, o que dá pena. A sua astucia na arte do roubo é interessante. Gostei dela no primeiro capitulo. Muitas vezes eu sacava o que estava acontecendo mais rápido que a protagonista. Cal foi um personagem que gostei logo na primeira vez em que aparece. O mistério que carregava me atraiu para ele. Seu modo de ver as coisas e não querer ficar parado o torna forte e corajoso. Ele sabe mascarar suas emoções e é extremamente focado. Maven no inicio não me conquistou. Mas no decorrer da história ele foi ganhando meu coração. Shade, irmão de Mare, mal aparece na história, mas não sei como me apeguei a ele. Coisas que lhe aconteceram eu sentia que não podiam ser verdadeiras. A rainha Elara e o rei Tiberias são insuportáveis, se um meteoro caísse na cabeça deles eu não me importaria. Personagens como Julian e Lucas merecem destaque.
Eu coloquei bastante expectativa em A Rainha Vermelha, mas elas não foram superadas. Não que o livro seja ruim, porque eu adorei, mas eu esperava me apegar mais aos personagens e que o romance fosse mais bem construído, entre outras coisas também. Os capítulos sempre tem alguma coisinha que nos impulsiona a querer continuar lendo e saber mais. Há o suspense de quem é a Mare e o motivo dela ser assim, como surgiram os prateados e como o “novo mundo” foi construído.
O final, lá para o capitulo 25 ao 27 foi surpreendente. Eu não esperava pela reviravolta da história. Fiquei eufórica e “CARAMBA!” Não acreditava no que meus olhos liam. A quarta estrela que dei, foi graças a esse final. Amor por alguns personagens se tonaram raiva e decepção.
O poder que a realeza exerce sobre tudo e todos é impressionante. As mentiras, façanhas e planos nos mostram que ninguém é confiável. Tenho raiva dos prateados e poucos salvam. Eu com certeza participaria da Guarda Escarlate, mesmo desconfiada de algumas coisas sobre o grupo. Pois, também almejaria mudanças para um mundo tão desigual e maçante. A injustiça é predominante.
Por que gostei de A Rainha Vermelha? Bom, além de ser uma distopia (amo distopias), a trama nos mostra sobre amizade, confiança, humildade, desespero e colocar pessoas que amamos antes de nós. Há um turbilhão de sentimentos que podemos sentir com um mesmo personagem. A autora conseguiu pegar algo novo e juntar ao conhecido e assim formar um pacote bacana. Não há enrolação nas cenas e a cada capitulo somos instigados a saber mais e mais. A escrita é leve e fácil o que torna a leitura rápida. A forma como somos surpreendidos com momentos inesperados é excelente. A ambientação, os poderes e o novo mundo são impressionantes. A trama nos faz questionar a sociedade, o governo e as pessoas. É quase mágico! Os poderes dos prateados são bem criativos e na viagem até a capital é incrível imaginar os vilarejos, fábricas e ambientes. Há muito ação e cenas desta são de tirar o fôlego. Amei!
Para quem gosta de ler distopias é uma ótima história. Tudo é bem escrito e estou louca para o segundo livro! Muitas pontas foram deixadas soltas e espero que minhas dúvidas sejam respondidas. #SuperAnsiosa
Frases
“Para conhecer alguém, você tem que conhecer seus medos.”
“Vermelha na cabeça, prateada no coração.”
“Se, a pior palavra do mundo.”
“As palavras mentem de vez em quando. Veja além delas.”
“Se você não consegue vencer usando seu poder, vença usando sua cabeça.”
“Todo mundo trai todo mundo.”
“É da nossa natureza. Destruímos. É a constante da nossa espécie. Não importa a cor do sangue, os homens sempre cairão.”
“O passado é tão mais grandioso que esse futuro.”
“Verdade é o que eu digo ser verdade. Posso incendiar o mundo e chamar de chuva.”
Lembrem-se: “Nós vamos nos levantar vermelhos como a aurora.” 😉


OLÁ, QUERIDOS LEITORES GEEKS E NÃO GEEKS😉

Como todos os sábados teremos a coluna Lado Geek da Força. No post de hoje, darei dicas de séries. Algumas não são completamente nerds. Só possuem aquele belo toque😉 Espero que gostem! Confiram, abaixo:
The Big Bang Theory

Leonard (Johnny Galecki) e Sheldon (Jim Parsons) são dois brilhantes físicos que dividem o mesmo apartamento. Suas vidas se complicam quando uma belíssima jovem, porém pouco inteligente, Penny (Kaley Cuoco), se muda para o apartamento do lado. A chegada de Penny perturbo um pouco a Sheldon já que ele prefere passar as noites jogando Klingori Boggle com seus amigos e colegas de trabalho e também cientistas, Wolowitz e Koothrappali, sem ligar para Penny. Contudo, Leonard vê em Penny a possibilidade de aprender a interagir com as mulheres e sente que ela é um novo mundo cheio de possibilidades, e quem sabe, do amor. Sheldon acha que isso é um sonho que nunca se realizará, porém, talvez nesta comédia estas mentes brilhantes possam aprender algumas coisas com uma jovem que trabalha em um restaurante.
Adoro TBBT e super recomendo❤ Pois a série mistura o humor com coisas do dia-a-dia e elementos nerds. Não fica nada cansativo, ao contrario! Nos faz até aprender mais e damos boas risadas. A cada temporada fica melhor! Muito amor pelo Sheldon❤
Breaking Bad

O novo drama “Breaking Bad” narra a história de Walter White (Bryan Cranston), um humilde professor de química que vê sua vida se transformar quando descobre ser portador de um câncer terminal. Com um passado brilhante como pesquisador, Walter amarga agora uma terrível situação financeira trabalhando como professor em uma escola de ensino médio. Com seu modesto salário sustenta a esposa Skyler (Anna Gunn) e seu filho Walter Jr. (RJ Mitte), que sofre de paralisia cerebral. Walter fica desesperado ao perceber que sua família irá passar necessidades após sua morte e decide que fará qualquer coisa para que eles não sofram com a falta de dinheiro. Impulsionado pelo medo e por desejo de oferecer dignidade à Skyler e Jr. ele começa a usar suas habilidades em química a favor do crime, montando um laboratório de drogas para financiar seus anseios. Com uma trama intensa e emocionante a série mostra que nesse enredo não existem vilões nem mocinhos.
Comecei a assistir Breaking Bad há pouco tempo. Tanto que só vi até a segunda temporada. Pelos pôsteres e comentários que via e ouvia da série, parecia ser aquela história fodona que iria nos prender do início ao fim. Vejam nesse pôster, por exemplo. Pela expressão dos personagens parece ser incrível! Ainda mais por mostrar a história de um professor de química que com seus conhecimentos consegue criar/fabricar metanfetamina *0* Porém, em minha opinião, o início dela foi fraca. Claro, deve mostrar como era a vida do personagem principal antes dele se tornar o fabricador de drogas, mas foi chatinha essa parte. Mas, no decorrer dos episódios a história nos prende e nos faz querer saber mais e mais. O final da primeira temporada foi um BAM que nos faz querer ver a segunda temporada imediatamente.
Game of Thrones

Game of Thrones é um seriado da HBO criado como a adaptação dos livros escritos por George R. R. Martin, reunidos na série As Crônicas de Gelo e Fogo (A Song of Ice and Fire), composta por sete volumes, cinco dos quais já publicados. Desde que estreou em 2011 na televisão, tornou-se a maior série da HBO, conquistando fãs em todo o mundo, fascinados por suas histórias de intrigas, luta pelo poder, pelo amor, pela honra e pela fortuna, anseios que permeiam a vida os habitantes dos ficcionais Sete Reinos de Westeros, em um tempo inspirado na Idade Média e permeado de elementos sobrenaturais.
Não há palavras para descrever essa série❤ É fantástica! Uma das minhas preferidas. É baseada na saga de livros As Crônicas de Gelo e Fogo escrita por George R. R. Martin. Sou uma grande fã e leria até a lista de compras do Martin haha Ele escreve excepcionalmente. Não há como não se apegar aos personagens e sofrer pelas coisas terríveis que os acontecem. Os produtores souberam adaptar muito bem para a televisão. A história é rica, cheia de detalhes e acontecimentos que nos deixam de cabelo em pé haha Fico feliz por Game of Thrones ser uma série e não filme. Pois, há coisas demais que devem ser mostradas que em filme não caberia. Recomendadíssimo!
Vikings

Produzida pelo History Channel, Vikings apresenta os famosos exploradores, comerciantes, guerreiros e corsários nórdicos a partir do seu ponto de vista. A história é centrada em Ragnar Lothbrok (Travis Fimmel), um agricultor e guerreiro que acredita ser descendente direto do deus Odin, que decide partir e lutar para conquistar novas terras.
Vikings se tornou uma das minhas séries favoritas, se não a favorita❤ É aquele tipo de série que você coloca uma alta expectativa, ou não, e é surpreendido. A cultura dos nórdicos, a maneira como eles são bárbaros, porém amam da maneira deles é incrível. Os personagens são inteligentes, lutam pelo que acreditam e se tiver de matar por isso, ótimo. Isso torna tudo mais real. A cada episódio e temporada temos uma surpresa que nos deixa de queixo caído. É fantástica! Super recomendo!
Arrow

O jovem bilionário Oliver Queen é dado como morto após um grande naufrágio. Cinco anos depois, ele é encontrado com vida em uma remota ilha do oceano pacífico. Quando retorna para sua casa em Starling, sua mãe Moira, irmã Thea e melhor amigo Tommy dão as boas-vindas, porém, percebem que Oliver mudou. Enquanto Oliver esconde a verdade sobre quem se tornou, ele tenta desesperadamente amarrar as pontas soltas de sua antiga vida. A mais importante delas é se reconciliar com Laurel Lance, a antiga namorada. Conforme se reconecta com as pessoas ao seu redor, Oliver secretamente cria Arrow, um vigilante que luta contra os males da sociedade, restaurando a antiga glória da cidade. Porém, o pai de Lauren, Detetive Quentin Lance, está determinado a prender o novo herói. Enquanto isso Moira, a própria mãe de Oliver, esconde informações sobre o naufrágio, se mostrando uma mulher implacável e cruel, trazendo consequências que não podemos nem mesmo imaginar.
Arrow é outra série excelente❤ Desde o primeiro episódio é impossível não gostar. Cheio de mistérios, ação e com um “herói” que mata para limpar a cidade das pessoas corruptas e más. Possui uma história instigante que nos faz querer saber mais e mais. O que provoca as engrenagens de nosso cérebro e cria o apego à trama e aos personagens. Arrow é muito real e nos surpreende a cada episódio.
The Flash 

Apresentado dentro da segunda temporada de Arrow, Barry Allen ganha sua própria série em The Flash. O seriado mostrará a história de origem do super-herói, um detetive que passou boa parte da vida buscando respostas para a misteriosa e aparente sobrenatural morte de sua mãe, e que, depois de ser atingido por um raio e passar nove meses em coma, vê-se, ele próprio, com superpoderes, enquanto deve continuar com seu dever de proteger a Central City dos vilões.
The Flash é meu amorzinho atual ❤ A série é a mais nova das que citei acima e muitos ficaram com o pé atrás. Porém, foi muito bem adaptada e surpreendeu à todos! A coisa que mais gosto é o humor do Barry. (Tão Flash❤) Cheia de mistérios e lutas entre vilões e mocinhos, tem uma dinâmica excelente e me fez chorar em alguns episódios haha Nos apegamos aos personagens. Eles se tornam nossos amigos facilmente. Vale muito a pena dar uma conferida na série do herói mais rápido do planeta.
Curtiram? Indiquei 6 séries de diferentes temas, porém geeks de certa forma😉 As duas primeiras, The Big Bang Theory Breaking Bad, mostram o lado nerd nas formulas químicas, físicas, astrológicas e no comportamento dos personagens. Game of Thrones e Vikings, mostram o lado geek em amar séries que nos mostram outra cultura e pensamentos fortes. As duas últimas Arrow The Flash, se encaixa na categoria geek em amar histórias de heróis e vilões.
Até a próxima:)

Título Original: Clockwork Angel
Autora: Cassandra Clare
Páginas: 392
Ano: 2012
Editora: Galera Record
Gênero: Fantasia

AdicioneSKOOB

Sinopse:
Anjo mecânico apresenta o mundo que deu origem à série Os Instrumentos Mortais, sucesso de Cassandra Claire. Nesse primeiro volume, que se passa na Londres vitoriana, a protagonista Tessa Gray conhece o mundo dos Caçadores de Sombras quando precisa se mudar de Nova York para a Inglaterra depois da morte da tia. Quando chega para encontrar o irmão Nathaniel, seu único parente vivo, ela descobrirá que é dona de um poder que capaz de despertar uma guerra mortal entre os Nephilim e as máquinas do Magistrado, o novo comandante das forças do submundo.
Trilogia "As Peças Infernais"

1. Anjo Mecânico 
2. Príncipe Mecânico (leia a resenha)
3. Princesa Mecânica (leia a resenha)

Sinopse:
Anjo mecânico apresenta o mundo que deu origem à série Os Instrumentos Mortais, sucesso de Cassandra Claire. Nesse primeiro volume, que se passa na Londres vitoriana, a protagonista Tessa Gray conhece o mundo dos Caçadores de Sombras quando precisa se mudar de Nova York para a Inglaterra depois da morte da tia. Quando chega para encontrar o irmão Nathaniel, seu único parente vivo, ela descobrirá que é dona de um poder que capaz de despertar uma guerra mortal entre os Nephilim e as máquinas do Magistrado, o novo comandante das forças do submundo.
Anjo Mecânico é o primeiro livro da Trilogia As Peças Infernais escrita pela queridíssima Cassandra Clare, aclamada autora da saga Os Instrumentos Mortais. No início fiquei um pouco com o pé atrás ao escolher fazer a leitura de Anjo Mecânico, mas depois pensei, se eu tinha amado tanto Cidades dos Ossos, deveria dar uma chance para essa trilogia.


O livro conta e história de Theresa Gray (mais conhecida como Tessa), uma garota de dezesseis anos que vivia em Nova York, e que após a morte de sua tia não teve outra opção além de ir para a Inglaterra morar com seu único parente vivo, seu irmão mais velho, Nathaniel Gray. Porém, ela é enganada e sequestrada pelas Irmãs Sombrias. Onde descobre que seu irmão está sendo mantido em cativeiro. Assim, Tessa passa semanas presa, sendo torturada ao usar um poder que nem sabia que tinha. (E que poder wow!) O seu destino começa a tomar um rumo terrível. Até que ela é salva por William Herondale. O garoto misterioso e cheio do sarcasmo, a leva até o Instituto dos Caçadores de Sombras de Londres, onde Tessa passa a tentar compreender esse “novo mundo” e o que ela realmente é.
No instituto vai entendendo o que é o Mundo das Sombras, e as criaturas que existem nesse mundo, desde caçadores de sombras, que nada mais nada menos são matadores de Demônios, a lobisomens, vampiros, feiticeiros e anjos. O Magistrado, que comanda todo o Clube Pandemônio, deseja Tessa a todo custo, pois ela é a peça final de seu grande plano.
No decorrer da trama, dúvidas e respostas surgem sobre Tessa. Surpresas acontecem a todo o momento e notamos que seu coração está dividido entre os Parabatai Will e Jem. Como toda boa história, temos um romance, mais precisamente, um triângulo amoroso. O que é tão bem construído que não há mimimi algum.

Não tinha tanta expectativa sobre este livro, para ser sincera, mas ao início de sua leitura já mudei meu conceito, e ao decorrer do mesmo só confirmei que estava errada. O livro é simplesmente fantástico! Minha empolgação é tamanha, que posso afirmar que Cassandra Clare se mostrou audaciosa ao criar uma aventura para jovens com um enredo totalmente de época, extremamente talentosa. Sua narrativa é cativante e envolvente, e sua trama muito bem amarrada e construída.
Além destes fatores, a autora consegue criar uma história muito boa, cheia de ação, aventura, diálogos inteligentes, cenas de tirar o fôlego, drama e romance na medida certa. A autora também consegue surpreender! Quando você acha que sabe tudo e que está entendendo tudo, reviravoltas te fazem pensar: “Caramba!”. Tia Cassie consegue te fazer ansiar e querer mais, muito mais. Eu simplesmente fiquei vidrada do inicio ao fim do livro!
Sim, o livro tem cenas ótimas, a ambientação é perfeita e o clima é sombrio. E sim, você pode ler ambas as séries separadamente, sem medo de se confundir ou se perder, pois em Anjo Mecânico toda a mitologia envolvendo os Caçadores de Sombras e suas origens, é muito bem explicado.
Os personagens são incríveis e não dar para não se apegar a cada um deles. Tessa é uma garota inteligente, corajosa, determinada, forte e não é uma garotinha indefesa. Amei amei amei a garota Gray. Will, (ah Will ~ suspiros) é um Caçador de Sombras esperto, aventureiro, sarcástico, divertido e audacioso até demais. Ele tem certo charme e personalidade forte que logo de cara o leitor se apaixona. Jem (ah Jem ~suspiros) é outro personagem que possui meu coração por completo. Ele é gentil, talentoso, carinhoso, inteligente, forte, um vencedor. Possui uma beleza rara e peculiar por conta do seu passado, mas sua beleza interior realça tudo. Seu coração é enorme. Outros personagens que merecem destaque são Charlotte e Henry, que direcionam o Instituto de Londres, e acolhem Tessa. Jessamine, garota amarga, porém me faz gostar dela, também uma Caçadora de Sombras. Sophie e Thomas, empregados do Instituto são uns amores. Apeguei-me demais. Entre tantos outros. Além destes, há o Magistrado, e OMG! Gostei muito do vilão. Ele convence e toca mesmo o terror. É incrível.  Este é o tipo de vilão que causa opressão e terror usando sua inteligência e astúcia. (A-D-O-R-O).
Um detalhe importante é o colar que Tessa usa por todo lugar. Um anjo mecânico que terá uma grande importância no decorrer dos livros.

Cassandra soube desenvolver a história de modo excelente. É rica em detalhes e não deixa a leitura cansativa em momento algum. No final, pontas soltas são deixadas, mistérios não resolvidos e diversas coisas não reveladas. O que nos faz querer o próximo livro arduamente. Para um primeiro livro de trilogia não prejudica a história que em muitos livros só fica boa no livro seguinte. É um livro completo, de certa forma.
Posso dizer que o livro superou todas as minhas expectativas. Não era nada que eu esperava e me surpreendeu do início ao fim. Em minha opinião é bem melhor que Os Instrumentos Mortais❤ A maneira como a escritora conseguiu tornar tudo ali mais real e humano nos faz sentir parte da história e nos tornar amigos dos personagens. O leitor se coloca inteiramente e sente as dores dos personagens. É incrível como um livro pode mexer conosco como poucos livros conseguem. Cassandra fez com que uma história de época ficasse interessante e mergulhou o sobrenatural junto. Que pacote maravilhoso!
Anjo Mecânico é recomendadíssimo por mim. Leiam leiam leiam! Sério, vocês não irão se arrepender. O livro te surpreende de uma maneira sem igual.


Título Original: The Selection
Autora: Kiera Cass
Páginas: 368
Ano: 2012
Editora: Seguinte
Gênero: Romance Distópico

Série A Seleção

1. A Seleção
2. A Elite (leia a resenha)
3. A Escolha (leia a resenha)
4. A Herdeira (leia a resenha)
5. A Coroa

Sinopse:
Para trinta e cinco garotas, a Seleção é a chance de uma vida. Num futuro em que os Estados Unidos deram lugar ao Estado Americano da China e mais recentemente a Illéa, um país jovem com uma sociedade dividida em castas, a competição que reúne moças de dezesseis e vinte anos de todas as partes para decidir quem se casará com o príncipe é a oportunidade de escapar de uma realidade imposta a elas ainda no berço. É a chance de ser alçada de um mundo de possibilidades reduzidas para um mundo de vestidos deslumbrantes e joias valiosas. De morar em um palácio, conquistar o coração do belo príncipe Maxon e um dia ser a rainha.
Para America Singer, no entanto, uma artista da casta Cinco, estar entre as Selecionadas é um pesadelo. Significa deixar para trás Aspen, o rapaz que realmente ama e que está uma casta abaixo dela. Significa abandonar sua família e seu lar para entrar em uma disputa ferrenha por uma coroa que ela não quer. E viver em um palácio sob a ameaça constante de ataques rebeldes.
Então America conhece pessoalmente o príncipe. Bondoso, educado, engraçado e muito, muito charmoso, Maxon não é nada do que se poderia esperar. Eles formam uma aliança, e, aos poucos, America começa a refletir sobre tudo o que tinha planejado para si mesma e percebe que a vida com que sempre sonhou talvez não seja nada comparada ao futuro que ela nunca tinha ousado imaginar.
A Seleção faz parte da antes trilogia e agora saga de mesmo nome escrita pela linda da Kiera Cass. É considerada uma distopia, porém depois que li o terceiro livro da saga, a história parece mais focada no romance. Há aquela balança, equilíbrio entre romance e distopia.
A história se passa no futuro, onde o território dos Estados Unidos da America foi invadido e transformado em Illéia. Um país que é dividido em oito castas, sendo a Um pertencente à família real e a Oito aos mendigos e criminosos que levam uma vida muito difícil. Cada pessoa na sociedade pertence a uma casta dependendo de sua família, profissão e condições. Sendo elas: Um: realeza e clero; Dois: todas as celebridades; Três: todo tipo de educadores, filósofos, educadores, inventores, etc; Quatro: fazendeiros, joalheiros, chefes de cozinha, etc; Cinco: músicos e cantores eruditos; Seis: secretários, serventes, etc; Sete: jardineiros, pedreiros, etc; Oito: deficientes físicos e mentais, viciados, fugitivos, desabrigados.
A protagonista America Singer pertence à Casta Cinco e seu talento é ser musicista. Ela toca piano, violino e canta. Para ganhar dinheiro, junto com sua família, faz apresentações em festas e eventos das castas mais altas. Eles vivem em uma situação bastante humilde e sentem a realidade dura que as castas mais baixas sofrem. America é apaixonada por Aspen, um garoto de casta inferior à sua, Seis, onde vive em situações piores que as dela. Por Aspen ser de casta inferior a de Mare, o relacionamento é às escondidas. Pois, normalmente as moças se casam com homens de castas acima para melhorar suas condições de vida. Um futuro com Aspen estava fora de cogitação, porém o casal se ama e sempre faziam planos sobre viver juntos. O namoro durou dois anos. Até America receber a carta para participar da Seleção. Uma competição onde 35 jovens tentam ganhar o coração do príncipe (e, de quebra, conseguir uma coroa e muito dinheiro).

Desde o início, America não quer participar da Seleção. Pois, seu coração já pertencia à Aspen. Além de outros motivos que a fazia não querer participar. Mas ela não tinha escolha além de aceitar e preencher o formulário. A Seleção seria uma espécie de oportunidade para ajudar sua família a sair daquelas condições. Apesar de somente 35 serem escolhidas, milhares de garotas se inscrevem também. Assim, apesar de tudo, America mantinha esperança de não ser escolhida. Sem surpresa nenhuma, Mare é escolhida. Assim, parte para a capital onde viverá no castelo e lutará, ou não, para ser a grande vencedora.
No decorrer da trama somos introduzidos ao dia-a-dia de America no palácio. Notamos que a competição é intensa, os deveres são muitos e que apesar de ser o palácio, há diversas complicações dentro e fora de seus muros. É engraçada a forma como as garotas se relacionam. Isso faz a história ficar ainda mais divertida. O primeiro encontro de America com o Príncipe Maxon não poderia ter sido melhor. É hilária! Garoto gentil e garota grossa.
O plano inicial de America de participar da seleção até certo tempo (ela tinha certeza que o príncipe a “chutaria” logo) começa a dar errado. O coração da garota se divide entre Maxon e Aspen. Seus sentimentos estão uma confusão. Às vezes dar vontade de dar uns tapas na cara da Mare, mas temos que entender que questões do coração não são nada fáceis.
No decorrer da história vemos o quanto Maxon e Mare se tornam amigos. (Adoro a parte que eles fazem um trato). A relação deles é muito fofa. Não há como não amar o príncipe❤Algumas garotas da Seleção são legais e se tornam amigas da Cinco. É bastante compreensivo o modo com que America toma certas decisões. Como o jeito que trata suas três criadas. No meio da história uma “surpresinha” acontece e é aí que o livro melhora ainda mais! No fim, Mare não foi expulsa da Seleção e ela fará parte da Elite, onde somente algumas garotas conseguem chegar.

A Seleção é o tipo de livro que logo de cara achei que ia ser bem menininha e chato. Porém, não é. A parte distópica é ótima. Fiquei cada vez mais curiosa para saber quem eram os rebeldes do norte e os do sul e o que eles pretendiam. O rei é um imbecil e algumas coisas que acontecem no palácio e no reino me deixam furiosa. As pitadas de romance são incríveis *-* (ninguém é de ferro, né minha gente).
Kiera Cass criou um mundo que me deixou bastante curiosa e intrigada. A cada página queria descobrir mais e mais. Os personagens são fáceis de se apegar e sua escrita é leve. O que nos faz passar as páginas com facilidade e vontade. Outra coisa que me deixou com raiva, foram certas ações da America com o Aspen. Poxa, ela estava na Seleção! Cadê o respeito pelo Maxon apesar de tudo? Affe. Depois de lerem irão me entender. O final do livro me deixou muito ansiosa e curiosa para o próximo. Onde em A Elite a competição estará mais acirrada.
Adorei A Seleção e sua premissa. Há coisas que nos faz pensar, como gostar mais de nós mesmos, colocar o próximo antes de nós, que na vida temos decisões difíceis, mas que precisamos escolher o que achamos certo. Nos diz sobre amizade, confiança e fidelidade; amor entre a família e os sacrifícios que muitas vezes temos que fazer. Recomendo😉