Título Original: Prodigy
Autora: Marie Lu
Páginas: 304
Ano: 2013
Editora: Prumo \ Rocco
Gênero: Distopia
AdicioneSkoob
Sinopse:
Os opostos perto do caos.
Depois que um cataclismo atingiu o planeta Terra, extinguindo continentes inteiros, os Estados Unidos se dividiram em duas nações em guerra: a República da América, a oeste, e as Colônias, formadas pelo que restou da costa leste da América do Norte. June e Day, a menina prodígio e o criminoso mais procurado da República, já estiveram em lados opostos uma vez.
Agora eles têm a oportunidade de lutar lado a lado contra o controle e a tirania da República e, assim, alterar para sempre o rumo da guerra entre as duas nações. Resta saber se estão preparados para pagar o preço que as transformações exigirão deles.

Trilogia Legend 


1. Legend (leia a resenha)
2. Prodigy
3. Champion (leia a resenha)



Prodigy é o segundo livro da trilogia começada com Legend, escrita pela autora Marie Lu e publicada pela editora Rocco. Eu já li toda a trilogia, terminei no início do ano passado e posso dizer que é fantástica❤

O livro inicia logo após os acontecimentos de Legend. Ao descobrirem sobre as armações e podres da República, June e Day fogem de Los Angeles e vão para Las Vegas, e lá são recrutados por um grupo de revolucionários, que se auto denominam os Patriotas. Vendo uma oportunidade de derrubar o governo, eles oferecem ajuda a June e Day, mas em troca querem que eles façam parte da equipe. A principal missão? Assassinar Anden, novo Primeiro Eleitor, após a morte de seu pai.

Não seria uma tarefa muito complicada, já que June fora a queridinha do país e poderia reconquistar facilmente a confiança do governo novamente para se infiltrar. Já Day tornou-se um símbolo de liderança para o povo, podendo tranquilamente incentivar protestos e feitios do tipo.
Com suas feridas internas e externas expostas e o objetivo de salvar o irmão de Day, Éden, os dois fugitivos aceitam a proposta dos Patriotas. Porém, nem tudo que parece ser, é. Assim, reviravoltas acontecem o que deixa o leitor de queixo caído. Isso dá um ritmo acelerado à estória e não deixa espaços para enrolações ou tempo para questionamentos, tudo acontece muito rápido. Isso, pra mim, é um dos pontos altos da série.
A convivência que June começa a ter com Anden faz com que a moça note que o novo Primeiro Eleitor não é quem eles achavam que era. O rapaz mostra ser uma pessoa justa e que luta por um país igualitário. Assim, todo o plano sai dos eixos. O que fazer agora? June e Day decidem ajudar o novo Primeiro Eleitor e isso gera o caos, literalmente.

Marie Lu nos brinda com um segundo livro mais fascinante que o primeiro com grandes reviravoltas que se sucedem. A estória se desenvolve de forma frenética! Cenas de tirar o fôlego! Sem falar das cenas de romance ❤ O final foi surpreendente e emocionante. O encontro de Day com seu irmão Éden me fez derramar lágrimas.
A estória em torno desta trilogia não é uma mera distopia. Há muitos fatos apresentados que, quem sabe, possa acontecer no nosso mundo. Marie Lu nos presenteia com informações valiosas sobre geografia, política e tecnologia fantásticas. Além de nos mostrar o poder das influencias e da força do povo em si.
Os personagens tanto principais tanto os secundários cresceram e amadureceram. As ideias e ações improvisadas de June e Day continuam me deixando orgulhosa e cheio de amor por esse casal incrível!
Frases
“Tudo que me era familiar não existe mais.”
“A simples lembrança do seu nome me faz respirar com dificuldade. Fico quase constrangido com minha reação. June e eu somos uma boa dupla? ‘Não’ é a primeira palavra que me vem à cabeça. Mesmo assim…”
“Lembre-se de quem é o inimigo.”
“Você não tem nada grave. Confie em mim, Day. Estou falando isso para o seu bem. June ainda vai partir seu coração. Ela vai despedaçar você em um milhão de pedaços.”
“Day me abraça mais forte. Sua mão acaricia meus cabelos e ele me embala suavemente, como se eu fosse uma criança. Aferro-me desesperadamente a ele, incapaz de recuperar o fôlego, sufocada pela febre, pelo sofrimento e pelo vazio.”
“O vento fustiga meu rosto e sibila nos meus ouvidos, me obrigando a ajustar minha postura constantemente. Eu poderia morrer agora mesmo. Não tenho como saber se os soldados no alto dos edifícios vão me derrubar a tiros antes que eu possa me abrigar com segurança atrás da parede de vidro blindado de uma varanda, a alguns metros acima do resto da multidão. Talvez reconheçam quem sou eu e não atirem.”
“Anden pode ser o homem mais poderoso da República, mas Day, o garoto das ruas que não tem nada além da roupa do corpo e da seriedade no olhar, é o dono do meu coração.
Ele é tudo o que é belo.
Ele é o raio de esperança em um mundo de escuridão.
Ele é a minha luz.”

Deixe um comentário