Romance de estreia de Josh Malerman, Caixa de pássaros é um thriller psicológico tenso e aterrorizante, que explora a essência do medo. Uma história que vai deixar o leitor completamente sem fôlego mesmo depois de terminar de ler.  
Basta uma olhadela para desencadear um impulso violento e incontrolável que acabará em suicídio. Ninguém é imune e ninguém sabe o que provoca essa reação nas pessoas. Cinco anos depois de o surto ter começado, restaram poucos sobreviventes, entre eles Malorie e dois filhos pequenos. Ela sonha em fugir para um local onde a família possa ficar em segurança, mas a viagem que tem pela frente é assustadora: uma decisão errada e eles morrerão.
NÃO ABRA OS OLHOS 
Uma palavra: incrível. Não consigo descrever em palavras o quanto Caixa de Pássaros me surpreendeu. A leitura é extremamente envolvente e interessante, prende o leitor até o fim e nos deixa sem fôlego. Nunca havia lido algo tão aterrorizante e angustiante. Com certeza superou minhas expectativas, que já estavam altas graças a capa e a sinopse, e entrou para os meus livros queridinhos ❤

A trama de Caixa de Pássaros gira em torno de Malorie, uma jovem que enquanto estava grávida vê o seu mundo, nosso mundo, virar de cabeça para baixo. A estória é contada no presente (o bebê já com quatro anos), mas também nos conta do passado (Malorie grávida), assim temos a noção de como tudo aconteceu para o mundo estar como está atualmente. Achei uma ótima sacada do autor.
"É um blecaute, pensa Malorie. O mundo, o exterior, está sendo desligado. Ninguém tem respostas. Ninguém sabe o que está acontecendo. As pessoas estão vendo alguma coisa que as leva a machucar os outros. A machucar a si mesmas. As pessoas estão morrendo. Mas por quê?"
Uma epidemia global têm enlouquecido os seres humanos, literalmente. O caos se inicia na Rússia e aos poucos infesta todo o mundo de forma cruel. Alguns não acreditaram no início, mas outros logo se trancam em suas casas e colocam mantas grossas em suas janelas. Acontece que ao ver algo, uma criatura, talvez, o ser humano fica tão apavorado que, além de enlouquecer, acaba se suicidando. Automutilação, atos violentos contra si e contra outros (se estes estiverem acompanhados), enforcamento, canibalismo… Não importa como, enxergar tal criatura misteriosa leva as pessoas a se matarem imediatamente. Desesperadamente, a população passa a estocar alimentos, tampar todas as janelas e portas de casa e passam a usar vendas nos olhos. Entretanto, em algum momento a comida irá acabar e como eles irão sobreviver? Sem falar da curiosidade, o que está acontecendo? Quem está lá fora? Não poder ver o mundo exterior a suas casas é aterrorizante, solitário, perturbador, as pessoas estão morrendo.

Acompanhamos o mundo desmoronar junto a Malorie que luta com coragem por sua vida e a de seu bebê. Há quatro anos, após uma tragédia com quem ama, a jovem teve que sair em busca de outro lugar para morar (dirigindo de olhos fechados ahh). Ali encontra abrigo junto a um grupo de pessoas. Entre estas pessoas está Tom, um ex-professor que se tornou uma espécie de líder e de alicerce para os outros sobreviventes da casa.
“Criaturas. Malorie nunca gostou desta palavra. De alguma forma parece errada. Acha que as coisas que a assombram há mais de quatro anos não são criaturas. Uma lesma de jardim é uma criatura. Um porco-espinho também. Mas o que se esgueira por trás das janelas cobertas e a manteve vendada não é do tipo que um exterminador de pestes poderia matar.”
No decorrer da leitura, as peças do quebra-cabeça vão se encaixando, fazendo com que a união de passado e presente torne a narrativa ainda mais instigante. Outro aspecto positivo são os momentos de aflição que passamos ao lado de Malorie. Ter um filho, não saber o que há lá fora, perder as pessoas que ama, o suspense de onde estarão seus amigos, ver de olhos fechados o mundo desmoronar e ainda manter-se sã. Isso é para poucos, é complicado. O autor ganha pontos por criar uma heroína como essa. Sem dúvida virei fã da personagem e da sua enorme força.
Em uma mistura de suspense psicológico e drama o autor nos mostrou todas as dificuldades dos personagens, e como a ruína do mundo exterior os estava afetando. A tensão no livro não se deve apenas ao medo do que está lá fora, mas o medo da fome, da insanidade se infiltrando aos poucos na mente de cada um deles. É difícil manter a mente sã quando tudo o que se pode fazer é ficar preso dentro de uma casa com cobertores cobrindo as janelas. Com medo de olhar por qualquer fresta e perder a vida. A cegueira psicológica é terrível, é uma angustia enorme.

O desenvolvimento da estória é sensacional, assim como o crescimento dos personagens. A narrativa do autor me prendeu de uma forma tão intensa, que eu me senti presa àquela caixa de pássaros, desejando sair. Senti-me vendada, cega, angustiada por não poder ver, por não entender.
O charme da obra é que a trama é dolorosamente intensa. Cada emoção narrada – medo, confusão, desamparo, angústia – é descrita para que o leitor sinta na própria pele as experiências da protagonista. E sentimos tudo! Enquanto eu lia, fazia questão de fazê-lo à noite, mergulhei de cabeça da estória. É tenso e aterrorizante, mas era tão bom sentir toda essa enxurrada de sentimentos. Ok, pareceu um pouco masoquista, mas o que eu quis dizer, é que o autor consegue nos prender e fazer a magia que é ler um livro acontecer.
Não há um terror visual como normalmente têm nos livros de terror, este não se encaixa no gênero. É um suspense, um terror psicológico. Acho que esse é o pior tipo de terror, não poder ver, não enxergar que mal é esse, como iria enfrentá-lo. Em alguns momentos fiquei arrepiada. São poucas cenas mais explícitas de terror, mas foram colocadas na medida certa. E são incríveis! Mostram toda a insanidade e loucura deste novo mundo. O autor também mostra que muitas vezes a ameaça pode ser o próprio ser humano e sua mente. É muito interessante ver o que o ser humano teve de se tornar para sobreviver. Sim, ainda há desavenças na convivência, mas eles souberam driblar as dificuldades e se uniram para sobreviver.
"O homem é a criatura que ele teme,"

O final me destroçou. Chorei horrores! O autor soube conduzir e juntar as peças com maestria. Foi “bonito” de se ver como o passado e o presente se juntaram no decorrer da trama. Porém, algumas poucas pontas ficaram soltas. Isso fez muitos leitores odiarem o livro e outros amarem. Me encaixo na segunda opção. Sou destas leitoras que odeiam chegar ao final de um livro sem ter minhas dúvidas esclarecidas. Mas Caixa de Pássaros não é o tipo de livro para ter explicações. Eu achei perfeito assim. Primeiro, temos que ter em mente que os personagens, principalmente Malorie que conduz a estória, não sabe o que está acontecendo. A história é voltada para os personagens, para o que eles passam, para como vivem e sobrevivem, e como convivem com o terror diário. Não havia ali, a meu ver, uma maneira de uma explicação surgir do nada e esclarecer tudo. Afinal, como explicar algo que não se pode ver? Como explicar algo que só se pode ouvir, sentir? Enfim, a forma como a estória é contada pede isso. É real e sensacional. Amei isso!
Caixa de Pássaros superou todas as minhas expectativas. É uma estória interessante, surpreendente, instigante e de certa forma, real. Josh Malerman construiu e ligou os fios da trama de forma fantástica. Tornei-me fã e lerei tudo que ele escrever haha O livro é intenso e fiquei muito feliz em sentir e absorver tudo que eles (autor e obra) quiseram transmitir.


3 Comentários

  1. Oi Nathália!
    Eu tbm adorei a experiência de ler esse livro, achei excelente!
    As pontas soltas no final me irritaram sim, mas cheguei a mesma conclusão que você: tem livro que não tem que ter explicação kkk
    Bjs
    http://acolecionadoradehistorias.blogspot.com

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olá, Carol!
      Ahh que ótimo :D Sim, é um livro excelente haha Eu também queria saber mais, ter mais explicações, mas depois entendi que era melhor assim haha Mais mágico haha
      Beijos

      Excluir
  2. Oi, Nath! Tudo bem? Aaaaaa achei fofo o Mário vendado hahahaha E sobre o livro, nunca me interessei por ele. Não sei porquê.

    Abraço

    https://tonylucasblog.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir